A ideia de um transporte público inteiramente gratuito, mantido por governos e prefeituras, é ponto polêmico no País. E a viabilidade econômica da utilização de transporte coletivo sem custos para o usuário divide especialistas. No Eusébio, cidade da Região Metropolitana de Fortaleza (RMF), o acesso dos cidadãos de forma gratuita à rede municipal de transporte é realidade há seis anos.

Somando 62 mil acessos por mês, o Transporte Regular Urbano do Eusébio (True) possui nove linhas que cobrem 90% do município. A cidade é a primeira do Norte e Nordeste e a quarta do País a implantar a tarifa zero no transporte público municipal. O projeto foi criado a partir de estudo feito pelo prefeito Acilon Gonçalves, no ano de 2009, tendo como base outras experiências no setor.

O True é gerido pela Autarquia Municipal de Trânsito (AMT) do Eusébio e desenvolvido pela Conect, vencedora do certame realizado por preço e técnica. De acordo com o presidente da AMT, Ocleilson Lima, é exigido que a manutenção seja realizada de forma contínua e que a frota não ultrapasse dez anos de uso.

“Neste ano, o total chega a R$ 2.310.100, cerca de 1% da arrecadação municipal”, detalha Ocleilson sobre o gasto do Município com o serviço. De acordo com ele, as rotas foram criadas para atender os locais com maior demanda de usuários. Apesar do território ser pequeno e totalmente urbano, ele pontua que algumas comunidades ficam distantes da sede, sendo de difícil locomoção entre elas.

Sem catracas

O POVO acompanhou a movimentação das paradas de ônibus no Mercado Central do Eusébio, ponto de chegada e saída de todas as linhas, por volta do meio-dia. E observou um pouco a rotina dos que vivem sem catracas. Lá, os usuários aguardam os ônibus distribuídos pela parada de cada linha, com horários específicos para passarem em cada ponto.

Além do aspecto econômico, para a estudante Andressa Gomes, 23, a tarifa zero também garante economia de tempo e segurança. “Melhorou nossa vida. Antes era contramão, a gente tinha que ir para Messejana. Para quem tinha alguma coisa urgente para resolver, gastava muito tempo e era muito cansativo. E os motoristas são muito educados”, comemora.

Ana Lúcia Silva, 48, lembra que, quando chegou no Eusébio, a quantidade de linhas do projeto era menor. “Facilitou muito para a gente ir resolver as coisas. Só às vezes que atrasa um pouco”, conta. O True foi criado inicialmente com duas linhas que faziam o trajeto Jabuti/Centro/Mangabeira, ida e volta. Após três anos, o número de linhas foi ampliado.

[O POVO Online]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *